Guardiões da Galáxia Vol. 2 | Crítica

Despreocupado em fazer ligações com os Vingadores, James Gunn estabelece Guardiões da Galáxia como a melhor coisa dentro do Universo Cinematográfico da Marvel.

O supergrupo mais carismático da Marvel nos cinemas — que por acaso não são os Vingadores — retorna em uma continuação que em sua existência já tem a difícil tarefa de fazer jus ao seu primeiro filme. Claro que estamos falando de Guardiões da Galáxia Vol. 2, continuação do filme dirigido por James Gunn em 2014, que retorna na direção no novo capítulo. O antecessor foi bem recebido tanto pela crítica quanto o público, e a bilheteria foi positiva considerando que os personagens adaptados eram consideravelmente obscuros até mesmo nos quadrinhos.

Se o primeiro filme foi uma grande aposta para o Marvel Studios, o segundo em tese já denota uma segurança maior para o estúdio no sentido comercial — e também no criativo. Já em sua abertura a continuação evoca uma segurança  maior  na abordagem de James Gunn com os personagens; em uma jogada de autoconsciência do uso de ação escapista nos filmes de super-heróis, o diretor abre o longa com um plano sequência que joga a ação para o fundo de cena — ignorada inclusive pela distância focal — e acentua um espetáculo musical. O design de produção também é evidenciado na cena, que foge da tendência cinzenta dos filmes de heróis, e encontra na galhofa um estilo esteticamente interessante. Na concepção desse universo o fogo pode queimar nas cores do arco-íris; e cada partícula de uma explosão parece que foi planejada pelo mais talentoso dos coloristas dos quadrinhos comerciais.

Abrir o longa com um espetáculo musical não é nenhuma surpresa, considerando o carinho da franquia pela música que é materializado na mixtape, que funciona como o maior complemento narrativo desde o longa de 2014. O segundo filme faz a relação da música, roteiro e movimento ser elevada para o nível de um bom musical, em que a dança e o canto são mera consequência da cena, sem se deixar sabotar pelo excesso de preparação e artificialidade. Uma série de hits dos anos 70 (Cheap Trick – “Surrender”, George Harrison – “My Sweet Lord”, Fleetwood Mac – “The Chain”, são alguma das músicas que compõe a Awesome Mix Vol. 2) acompanham a jornada de Peter Quill (Chris Pratt) e dos outros Guardiões — que agora compartilham do mesmo entusiasmo musical.

A ação de Guardiões da Galáxia Vol. 2 é concebida de forma diferente em cada cena, sempre alternando o uso câmera e o ritmo na montagem, impossibilitando a sensação de repetição comum nos filmes de heróis, remetendo na mise-en-scène uma versão menos sofisticada de John Wick. O longa escala da ação fora de foco da cena inicial para um duelo que em seu senso de urgência soa como uma animação japonesa. Única semelhança que as distintas execuções encontram é o uso da música, tornando cada cena uma coreografia musical ensaiada por um coreógrafo de escola distinta.  

O plot principal do filme gira em torno da relação de Peter Quill com o seu pai, o planeta vivo Ego (Kurt Russel). É no desenvolvimento dessa narrativa que o longa encontra seu maior defeito. Por dividir sua condução em dois ambientes geográficos distintos, que por sua vez acrescentam uma série de subplots, a narrativa principal acaba sendo acelerada no final do segundo ato, por uma decisão expositiva — e desnecessária — do roteiro para justificar o último confronto. Justificando o embate em uma única frase, sendo que a condução natural da história levaria ao mesmo caminho. Não que a relação de Peter e Ego não seja interessante, mas infelizmente a abordagem do roteiro deixa a desejar no que antecede ao desfecho.

Apesar da falha na execução da trama principal, os subplots desenvolveram os personagens e  suas relações de forma maestral. Tornando mais complexa a relação das irmãs Gamora (Zoe Saldana) e Nebulosa (Karen Gillan), criando um tocante vínculo empático entre Rocket Raccon (Bradley Cooper) e Yondu (Michael Rooker), e extraindo humor na relação que beira ao parental entre Drax (Dave Bautista) e Mantis (Pom Klementieff); todas essas consequências tornam a dinâmica e a motivação dos Guardiões extremamente justificáveis perante o universo criado.

Bons nomes foram adicionados ao elenco da continuação. O carinho aos anos 80 mais uma vez é escancarado na escolha de Kurt Russel como uma das figuras principais do filme, e na de Sylvester Stallone, que conta com uma modesta participação — que possivelmente crescerá no futuro do universo da Marvel. Em sua estreia na franquia, Pom Klementieff brinca com a inocência de Mantis em sua atuação. Um veterano que merece atenção no que se diz ao respeito da atuação, é o ex-westler Dave Bautista, que acerta o timing cômico de Drax, trabalhando melhor com o seu caricato personagem.

Não é à toa que o longa traz tantos personagens ingênuos em sua história, o amável Baby Groot e a insegura Mantis, e até mesmo Peter Quill que procura desesperadamente uma figura paterna; Guardiões da Galáxia Vol. 2 é um filme ingênuo, principalmente por não tentar ser uma peça central no Universo Cinematográfico da Marvel. James Gunn não perde seu tempo de projeção estabelecendo conexões para uma jornada maior até o terceiro Vingadores, e a ingenuidade também é ressaltada por não se enquadrar na fórmula estabelecida pelo estúdio, em que o humor surge como uma escape constante das cenas de ação, em Guardiões a ação é um escape em um filme que na realidade é de comédia. Mas mesmo com o humor predominante no longa, o clímax dramático consegue ser talvez o mais marcante de todo multiverso cinematográfico da Marvel, por simplesmente não estragar o acontecimento com alguma piada no decorrer da cena. Chegando em uma ingenuidade tão grande, que o longa acredita que uma frase é o suficiente para definir um embate, evidenciando que desconhece os limites de seu próprio excesso.

Guardiões da Galáxia Vol. 2 não demonstra nada de original em relação ao primeiro filme, soando como uma versão aprimorada do antecessor, mas que consegue ampliar o alcance do universo desses personagens no cinema. Por sorte do público, a competência da execução na maior parte dos aspectos justifica ao menos a existência desse episódio, e consolida a franquia como a melhor do MCU.

______________________________________

Guardiões da Galáxia Vol. 2
Guardians of the Galaxy Vol. 2
EUA, 2017 – 136 min
Aventura

Direção:
James Gunn
Roteiro:
James Gunn
Elenco:
Chris Pratt, Zoe Zaldana, Dave Bautista, Vin Diesel, Bradley Cooper, Michael Rooker, Karen Gillan, Pom Klementieff, Kurt Russell, Elizabeth Debicki, Chris Sullivan, Sean Gunn, Sylvester Stallone

4.5 STARS

Por Fellipe José Souza
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s