A Colina Escarlate | Crítica

Se o novo filme de Guilhermo del Toro assusta é por causa da falta de carisma, de desenvolvimento de personagens e de uma narrativa eficiente

A Colina Escarlate posterGuilhermo Del Toro traz ao público seu tão sonhado projeto pessoal, A Colina Escarlate. Em uma homenagem ao cinema de horror romântico, gênero esquecido nas últimas duas décadas, o cineasta capricha mais uma vez no visual, costumeiramente seu ponto forte, mas acaba deixando pra trás algo de suma importância: nos fazer importar.

A Colina Escarlate traz a história de  Edith Cushing (Mia Wasikowska), que ainda quando criança perdeu sua mãe e descobriu ser capaz de ver fantasmas. Desde o início, com a narração em off, ela deixa claro que fantasma são reais. O primeiro que ela vê, inclusive, é o de sua póstuma mãe. Nas palavras desse ser fantasmagórico, eis um aviso, praticamente uma profecia: cuidado com a Colina Escarlate. Os anos passam e Edith transforma-se em uma escritora, cuja primeira obra é sobre fantasmas. Como ela gosta de ressaltar, fantasmas são uma metáfora sobre o passado.

A Colina Escarlate 04

Seu pai, Carter Cushing (Jim Beaver), é um homem de negócios e acaba negociando com o baronete Sir Thomas Sharpe (Tom Hiddleston), que quer um financiamento para seu projeto de tirar argila do solo de seu terreno (?). Junto dele, está a irmã Lucille Sharpe (Jessica Chastain), com cara de poucos amigos e um tom gélido nos olhares e conversas. Dado o mistério de quem quer que seja o Sir Sharpe, Edith rapidamente se apaixona, talvez sustentada pelo interesse dele por seu manuscrito.

Eventualmente dentro da trama, Edith e Thomas se casam. O pai é assassinado (mas ela ainda não sabe que fora um crime e não um acidente) e então ela se muda para a casa de Thomas, na gigantesca mansão da qual recebe o apelido de Colina Escarlate. A mamãe fantasma, como uma verdadeira profeta, alerta mais uma vez para ela ter cuidado com o local. Não só ela, mas agora Edith começa a enxergar mais gente morta. Thomas atenua sua ambiguidade com poucas expressões e Lucille vai arregaçando as mangas e mostrando a que veio, em doses homeopáticas de loucura e frieza.

A Colina Escarlate 05

Não precisa ser muito esperto para conseguir formar uma teoria sobre o que está acontecendo na trama. Fica evidente desde o princípio que o casamento entre Edith e Thomas é meramente feito de interesses dos irmãos Sharpe para conseguir arrancar dinheiro de mais uma mulher, assim como Thomas já fizera no passado. Pelo gênero que norteia o longa, é fácil desvendar o destino das ex-esposas do personagem de Hiddleston. Os fantasmas são uma metáfora do passado, Edith nos conta. Essa frase por si só já revela o principal plot da narrativa, o que causa uma decepção imensa por já sabermos 90% do desenvolvimento da trama.

Às vezes, o desenrolar da história acaba compensando uma trama previsível, porém a falta de empatia com os protagonistas é fundamental para o fracasso da película como história. Torna-se difícil relacionar-se com Edith, uma personagem vazia e que a única relação dela com o espectador é, talvez, sentir um arrepio com a presença dos fantasmas – e olhe lá, já que a forma cuja Del Toro optou para tratar as almas penadas não convença a todos. Trabalha-se pouquíssimo na tridimensionalidade dos personagens e a falta de sustância por parte dos talentos cênicos de Mia Wasikowska acaba pesando. Tom Hiddleston segue pelo mesmo caminho. Seu personagem é misterioso a ponto de não termos quase nada para nos prendermos ao personagem dele. E o mistério em torno dele não é algo que seduza ou coloque uma pulga atrás da orelha. Ele não é o Drácula, de Francis Ford Coppola, provavelmente a maior referência de Del Toro para o longa-metragem. Seu papel sofre com a falta de background até a grande virada no final do filme, o que torna-o apenas um peão para contar uma história defasada e que não surpreende como Del Toro pensou que aconteceria. Em contra-partida, Jessica Chestain, essa sim, sabe o que faz. Se é pra falar de mistério, a irmã Sharpe é quem chama a atenção. Chestain sabe como conduzir uma personagem que, por mais que falte aquela tridimensionalidade e a revelação aos 45 minutos do segundo tempo não acrescente muito a ela, o tempo todo ela leva o trabalho a sério. Entre a frieza e a loucura, ela sabe o seu lugar e regula com cautela as emoções, mostrando-as precisamente.

A Colina Escarlate 03

Se os fantasmas são metáforas para o passado, temo dizer que Del Toro acaba criando uma película que serve como metáfora própria. Há tantos anos, pessoas vêm colocando o cineasta mexicano no patamar de “gênio”, e com A Colina Escarlate o tal título cai de vez por água abaixo. Não tem como se sustentar uma teoria dessas baseada em dois longas de alto nível – o ótimo A Espinha do Diabo e o excelente O Labirinto do Fauno, este sim sabendo tratar realidade e fantasia, além de linguagem metafórica com êxito. Olhando para o passado, vemos os bacanas Círculo de Fogo e Blade II, os divertidos Hellboy e Hellboy II, e as ficções Cronos e Mutação, que dividiram a crítica, mas definitivamente mostraram que ele entende de criação e conceitos. E está aí a resposta para tudo.

Del Toro é um cara muito preocupado com efeitos práticos, design, figurinos, direção de arte, criação no sentido mais amplo em termos de conceito. O problema é que nem sempre ele consegue pôr em prática o talento que ele tem em elaboração de cenários e até mesmo de clima nos seus roteiros. Vamos lembrar também que ele é responsável pelos scripts da trilogia O Hobbit, um dos maiores erros cinematográficos nesta década. Se Del Toro se preocupou tanto em erguer a casa que serve de cenário para A Colina Escarlate, talvez ele devesse ter o mesmo cuidado na hora de escrever falas, construir personagens e envolver o espectador em uma narrativa mais interessante, envolvente e bem menos óbvia. E devido ao fracasso de bilheteria na abertura nos EUA, esta película certamente será um fantasma que irá assombrar o cineasta daqui pra frente.

A Colina Escarlate 02
Imagens: Universal

Crimson Peak
EUA, 2015 – 119 min
Romance / Terror

Direção:
Guilhermo Del Toro
Roteiro:
Guilhermo Del Toro, Matthew Robbins
Elenco:
Mia Wasikowska, Jessica Chestain, Tom Hiddleston, Charlie Hunnam, Jim Beaver

2.5 STARS

Por Rodrigo Ramos
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s