Digimon Adventure tri. – Reunion | Crítica

Animação retorna com protagonistas originais e serve como uma dose decente de nostalgia aos fãs

Digimon Adventure tri.Para comemorar os 15 anos do aniversário do anime de Digimon, a Toei Animation surpreendeu os fãs no ano passado com o anúncio de Digimon Adventure tri., uma nova série de filmes que conta o que acontece após os eventos de Digimon Adventure 02 – sequência direta da série original – e antes do epílogo mostrado nesta mesma obra. A parte legal? Com os protagonistas originais!

De uns tempos pra cá, a Toei tem investido forte em nostalgia: trouxe um remake de Sailor Moon, novos filmes e uma nova série de Dragon Ball, bem como novas instalações da franquia Os Cavaleiros do Zodíaco. Algumas delas empolgaram muito os fãs nostálgicos. Outras, nem tanto. A principal crítica à Toei é o relaxamento com as animações, por vezes mal desenhadas e descaracterizadas. Por causa disso, a cobrança com Digimon tri. era grande. Será que o lançamento atingiu as expectativas?

O filme, primeira de seis partes, inicia de forma bem lenta, reapresentando os personagens que já conhecemos e como estão suas vidas três anos após a derrota de MaloMyotismon em Digimon 02. Temos bastante tempo para reconectar com nossos digiescolhidos favoritos, como Tai (Natsuki Hanae) e seu time de futebol, Matt (Yoshimasa Hosoya) e sua nova banda de rock, Mimi (Hitomi Yoshida) e seu retorno dos Estados Unidos, e Joe (Junya Ikeda) com seus problemas no cursinho pré-vestibular. Todos eles estão mais velhos, mais responsáveis, começando a conhecer de verdade o mundo real. Não são mais crianças.

Digimon Adventure tri. 01

O confronto com o mundo real é algo presente na história. O protagonista Tai, por exemplo, não faz ideia do que quer fazer depois que se formar no ensino médio, e por isso procura ajuda. Joe, sempre o mais estudioso da turma, não consegue boas notas no cursinho e precisa se esforçar para passar no vestibular. Situações que são facilmente relacionáveis comigo, com você e com grande parte do público do filme. Ponto positivo para este detalhe da produção.

Após a longa introdução, a ação começa. Nosso mundo está repentinamente sendo atacado por digimaus, e agora? De forma até mesmo meio previsível, nossos heróis juntam-se a seus digimons após anos de separação e iniciam o confronto. As cenas de reunião são extremamente aconchegantes. Todos juntos outra vez, como nos velhos tempos. É de encher os olhos.

Digimon Adventure tri. 02

As cenas de luta cobrem de lágrimas até os olhos dos fãs mais durões por conta do resgate da trilha sonora. Impossível não se lembrar com carinho da infância ao assistir os digimons favoritos digievoluírem ao som de “Brave Heart”, a mesma canção da série original. Uma peça única que é considerada um dos pontos mais fortes do Digimon original até hoje. E, falando em trilha sonora, as músicas de abertura e encerramento também continuam as mesmas: “Butter-Fly” e “I Wish” abrem e fecham, respectivamente, as seções em que o filme foi dividido com maestria.

No ato final, temos a introdução de uma nova personagem, Meiko (Miho Arakawa), e seu quase homônimo digimon, Meicoomon, os quais ainda não sabemos o objetivo na história. A cereja do clímax fica por conta da amizade entre os protagonistas Tai e Matt, que apesar de abalada no decorrer da história, é a chave para a junção de forças na luta contra Alphamon, o principal antagonista desta parte da aventura.

Digimon Adventure tri. 04

Apesar de tudo isso, a qualidade da animação cai em alguns momentos do especial, mas a peteca não vai ao chão. Temos muitos momentos deslumbrantes, como as digivoluções e várias outras cenas. O que deixou um pouco a desejar são alguns esclarecimentos das história. Como ocorreu X digivolução? Por que Y não conseguiu digivoluir? Por que não lembraram dos protagonistas de Digimon 02? A história terminou com muito mais perguntas do que respostas.

Com ainda cinco filmes pela frente, Digimon Adventure tri. deve responder a tudo isso e trazer ainda mais nostalgia aos fãs. A primeira parte do projeto consegue com eficácia conquistar quem assistia Digimon quando criança sem decepcionar. A segunda parte, Decision, tem previsão de lançamento para março de 2016.

Digimon Adventure tri. – Reunion está disponível para assistir em quatro partes legendadas no site Crunchyroll, que é aberto ao público brasileiro.

Digimon Adventure tri. 06

Digimon Adventure tri. – Reunion
Japão, 2015 – 80 min
Animação | Aventura | Fantasia

Direção:
Keitarō Motonaga
Roteiro:
Yūko Kakihara
Elenco:
Natsuki Hanae, Chika Sakamoto, Yoshimasa Hosoya, Mayumi Yamaguchi, Suzuko Mimori, Atori Shigematsu, Mutsumi Tamura, Takahiro Sakurai, Hitomi Yoshida, Kinoko Yamada, Junya Ikeda, Junko Takeuchi, Junya Enoki, Miwa Matsumoto, Mao Ichimichi, Yuka Tokumitsu, Miho Arakawa, Yukiko Morishita

4 STARS

Por Paulo Henrique Testoni
Anúncios

2 opiniões sobre “Digimon Adventure tri. – Reunion | Crítica”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s