Jurassic World – O Mundo dos Dinossauros | Crítica

A nova fórmula de Hollywood parece ser reciclagem, sem mais reboots

Jurassic World posterExplicar o sucesso de Jurassic World não é tarefa difícil. Muitas pessoas da geração passada, ou que assistiram os filmes na infância (meu caso), voltaram aos cinemas para conferir a ressureição da franquia – o fator nostalgia é tão feroz quanto a Indominus Rex. Além disso, muitos pais levaram os filhos e dezenas de jovens foram apresentados ao universo de Jurassic Park. Pela segunda semana consecutiva, manteve o primeiro lugar nas bilheterias americanas, batendo a marca de US$ 1 bilhão no mundo (sendo o longa-metragem a conseguir tal feito com maior rapidez). Esse filme mostra uma tendência para os próximos reboots/remakes de produções clássicas – atualiza-se o arco dramático da obra original, com personagens e situações diferentes, mas são feitas diversas homenagens e referências (o reboot de Caça Fantasmas seguirá nessa linha).

A sinopse do filme é interessante. Mostrar o parque já aberto, sob o ataque de um dinossauro modificado geneticamente. Na verdade, a premissa é muito parecida com a produção de 1993, só que de uma forma megalomaníaca. Apesar de tudo ter se tornado tão grandioso e um tanto quanto artificial, é possível se emocionar com as primeiras cenas mostrando o local e as atrações. Contudo, certos exageros são notáveis. O dinossauro aquático é um forte exemplo. Falta sutileza na direção do inexperiente Colin Trevorrow. Um produto dessa magnitude deveria ter sido entregue nas mãos de alguém com mais bagagem. O excesso de personagens, em sua maioria clichês, atrapalha o andamento e enfraquece o roteiro.

Jurassic World 02

Chris Pratt e seu Owen Grady é o destaque do filme, isso é uma unanimidade. O ator conta com um carisma gigantesco e o roteiro ajuda em seu protagonismo. Não que o personagem exija uma grande interpretação – é o clássico badass amado pelo público. Fica aqui o teste definitivo para a escolha do próximo Indiana Jones. Bryce Dallas Howard fez uma boa atuação, o problema mesmo é o texto que não a favoreceu. Claire é uma personagem fria, que vai mudando ao longo do filme e no final se rende ao amor do “bonitão”. Acaba sendo uma visão bem machista, em tempos de Furiosa (Charlize Theron) dominado em Mad Max: Estrada da Fúria. Quando a ruiva mata um dos dinossauros, deveria ter funcionado como uma virada, mas a intenção não foi bem sucedida. As crianças, Gray (Ty Simpkins) e Zach (Nick Robinson) não incomodam a narrativa e nem acrescentam muita coisa, só funcionam de paralelo com os irmãos do primeiro filme. Toda a historinha da separação dos pais é bem fraca, não contribuindo para o apego aos personagens. Hoskins (Vincent D’Onofrio) é um vilão humano bem fraco, não impondo medo em nenhum momento. Vincent não consegue fugir do estereótipo e entrega uma atuação piegas. Pior do que ele, só Simon Masrani (Irrfan Khan), o proprietário do novo parque não possui metade do carisma de Hammond (Richard Attenborough­), do filme original. Suas frases de efeito beiram ao nível das novelas mexicanas.

A produção é muito eficiente no quesito entretenimento, sendo um excelente filme pipoca. Você sai do cinema querendo ter um velociraptor – ok, isso foi um exagero. Porém, é perceptível como o reboot perdeu na contemplação dos animais e investiu na figura do monstro. O roteiro dificulta a nossa admiração pelos dinossauros. Não foi criada a mesma magia, sentimento que os dois primeiros proporcionavam. Indominus Rex é uma excelente vilã. Toda a tensão criada sobre ela é bem eficiente, mas a ação de matar por ‘’diversão’’ ficou meio forçada. Uma coisa que tinha me irritado no trailer e funcionou na tela, foram os velociraptors treinados. No meio de tantos exageros, isso ficou bem colocado, principalmente por eles não serem 100% fiéis ao personagem de Pratt. O ataque dos dinossauros voadores trouxe a macabra morte da assistente de Claire, Zara (Katie McGrath) – sendo que a moça não era nem vilã (Colin Trevorrow parece ter sérios problemas com as mulheres). Não adianta, a estrela jurássica é realmente o T-Rex, embora sua participação tenha tido a mesma função do primeiro filme – destruir a ameaça dos mocinhos. Pra quem não percebeu, é a mesma Tiranossauro Rex.

Jurassic World 01

Uma das maiores curiosidades que eu tinha em relação a Jurassic World era sobre os efeitos especiais. Vinte e dois anos depois, muita coisa mudou no ramo. Hoje em dia é muito mais fácil criar os dinossauros computadorizados. Felizmente, não abandonaram os animatronics para as cenas de proximidade, e ainda funcionam muito bem em cena. Dessa vez, usaram muito mais CGI, tornando possível mostrar mais dinossauros. Ganha-se em quantidade, porém perde-se em realidade. Não foram raras as vezes em que era nítido o teor artificial dos animais. Uma justificativa bem plausível é eles terem muito mais tempo de tela do que antes. Nos três primeiros filmes, a maior parte da tensão era criada pelas atuações, o roteiro e a trilha sonora.

Depois de se tornar um sucesso instantâneo, é claro que virão continuações, e elas não devem demorar a chegar. Para a alegria dos fãs da franquia, Chris Pratt afirmou que assinou contrato para mais um filme e Colin Trevorrow já disse que não dirigirá uma continuação. É bem improvável que o próximo longa se passe em uma das duas ilhas. O raio já caiu duas vezes no mesmo lugar – investir no parque pela segunda vez foi loucura o suficiente. A única ponta solta fica por conta dos embriões levados pelo Dr. Henry Wu (BD Wong), deixando um gancho, para uma futura guerra entre humanos e dinossauros (ctrl c + ctrl v de Planeta dos Macacos).

Jurassic World 04

Jurassic World
EUA, 2015 – 124 min
Aventura

Direção:
Colin Trevorrow
Roteiro:
Colin Trevorrow, Derek Connolly, Rick Jaffa, Amanda Silver
Elenco:
Chris Pratt, Bryce Dallas Howard, Vincent D’Onofrio, Irrfan Khan, Nick Robinson, Ty Simpkins, Judy Greer, Katie McGrath, Omar Sy, Jake Johnson

3 STARS

Anúncios

Uma consideração sobre “Jurassic World – O Mundo dos Dinossauros | Crítica”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s