Amizade entre crianças e vibe oitentista são o diferencial de ‘Stranger Things’

Em sua primeira temporada, a série da Netflix reúne as melhores referência dos anos 80 e consegue montar um elenco infantil que não é insuportável.

Stranger Things posterFalar que o sucesso de Stranger Things chegou devagar e foi conquistando as pessoas aos poucos seria uma grande mentira. Em pouco mais de uma semana do lançamento da primeira temporada, a série já conta com mais de 430 mil curtidas em sua página do Facebook. Se você não mora num buraco embaixo da terra sem internet, já deve ter percebido as diversas menções ao programa nas redes sociais, na maioria elogios e propagandas gratuitas.

Quanto mais gente comenta, mais repercussão o show tem e, assim, o número de novos espectadores multiplica-se, tornando o sucesso uma bola de neve – de uma forma positiva, é claro. Ainda é cedo para afirmar se esse fenômeno será a longo prazo, cativando fortemente o público ao ponto de eternizar-se na cultura pop, como Breaking Bad, The Sopranos e Twin Peaks, mas o poder narrativo construído pelos Irmãos Duffer deve estar causando inveja em muitos roteiristas e produtores em Hollywood.

Afinal, qual é a premissa de Stranger Things? A série é ambientada no início dos anos 80, na pequena cidade de Hawkins, em Indiana, que tem sua rotina, devagar quase parando, quebrada quando um menino (Will) desaparece sem explicação e com poucas pistas. Falando assim, poderia ser um seriado investigativo qualquer, isso se os fatores sobrenaturais e de ficção científica não tivessem peso tão grande na história. A partir disso, junto com a aparição de uma menina com poderes especiais (Eleven), três núcleos vão se desenvolvendo: o dos adultos, dos adolescentes e das crianças. Circulando entre todos, há os mistérios envolvendo a empresa que fazia testes em Eleven e o Upside Down – pouco abordado, intencionalmente, nesse primeiro ano.

Stranger Things 02

Em meio aos vários plot twists, o núcleo adolescente é o menos interessante, apesar de Nancy (Natalia Dyer) e Jonathan (Charlie Heaton) possuírem bons intérpretes, conseguindo explorar muito bem as angustias do fim da infância e começo da vida adulta, provando que nem todo adolescente da televisão precisa ser birrento, não é mesmo Dana Brody? Atores e atrizes bons não faltam aqui.

Winona Ryder brilha como uma mãe desesperada em busca do filho, indo aos extremos com sua atuação. Contudo, o roteiro poderia ter explorado melhor a visão da população da cidade sobre as atitudes de Joyce, mas acaba deixando os julgamentos apenas para o ex-marido. David Harbour consegue seu primeiro personagem esférico em Stranger Things, ao dar vida a um policial com traumas do passado, fazendo-nos esquecer de suas participações com pouca personalidade em séries como The Newsroom. A morte da filha e o envolvimento com o governo são questões a serem abordadas na segunda temporada.

Stranger Things

Contudo, as crianças são de longe o melhor que a série tem a oferecer. As interações entre elas lembram clássicos infantis dos anos 80, principalmente Os Goonies e Conta Comigo. Temos um grupo homogêneo em gostos, mas com particularidades na personalidade, tendo uma química incrível em cena. Qualquer nerd, não importando a idade, consegue se identificar com Mike (Finn Wolfhard), Lucas (Caleb McLaughlin) e Dustin (Gaten Matarazzo), sendo eles totalmente reais e palpáveis em nossa realidade. Eleven (Millie Bobby Brown), mesmo com poucas falas, passa uma carga dramática pesada e envolvente. A capacidade da jovem para o drama é notável. Esse combo de boas atuações com roteiro bem amarrado faz os espectadores apegarem-se a todos os personagens, algo essencial nesse tipo de produção.

Para quem ama referências nerds, o programa não vai decepcionar. Essas referências, todas oitentistas, podem ser encontradas em cartazes de filmes da época espalhados pelo porão onde os meninos passam a maior parte do tempo ou na narrativa em si. Inclusive, o próprio porão é o lugar de diversas batalhas de Dungeons & Dragons, jogo de RPG popular na época. Tudo remete aos anos 80, da abertura até a fotografia. Ross Duffer e Matt Duffer pegaram elementos de filmes clássicos, uma boa parte deles de Steven Spielberg, e construíram uma história coesa e cheia de nostalgia.

Stranger Things 04

Stranger Things – Season One
EUA, 2016 – 8 episódios
Ficção | Suspense | Terror

Criado por:
The Duffer Brothers
Elenco:
Winona Ryder, David Harbour, Finn Wolfhard, Millie Bobby Brown, Gaten Matarazzo, Caleb McLaughlin, Natalia Dyer, Charlie Heaton

4.5 STARS

Por Mikael Melo
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s