Todos os filmes da Pixar, ranqueados do pior ao melhor

Assistimos aos 16 longas-metragens do estúdio e comentamos sobre todos eles.

Nesta quinta-feira (30), chega aos cinemas brasileiros Procurando Dory, o 17º longa-metragem do estúdio Pixar. Aproveitando o embalo do retorno do estúdio aos cinemas, o Previamente passou por uma maratona com os 16 filmes e avaliou um por um, formando a lista que você confere abaixo, começando da pior à sua melhor obra.

16. Carros 2 (Cars 2, 2011)

Direção: John Lasseter, Brad Lewis

Este é, disparado, o pior filme do estúdio, e também a pior franquia da Pixar. A bilheteria do primeiro foi bem, mas não foi um estouro. Entretanto, a justificativa para uma continuação é bem clara – vender produtos licenciados. A Disney/Pixar ganhou muito dinheiro com a venda de brinquedos, cadernos, canecas, etc. Com um novo filme, mais personagens são inseridos, assim mais produtos são lançados e o lucro cresce. Mate toma o lugar de McQueen como protagonista do longa, o que não favorece para construir um filme melhor. Para o público infantil ele funciona excelentemente, mas não para a família toda, faltando emoção e criatividade.

Cars 2 (2011)

15. O Bom Dinossauro (The Good Dinosaur, 2015)

Direção: Peter Sohn

Se tem algo a ser exaltado em O Bom Dinossauro é o êxito visual, que prova que a Pixar está num patamar acima dos seus concorrentes. Infelizmente, o estúdio, que no mesmo ano entregou um de suas melhores obras (Divertida Mente), conseguiu também entregar, meses depois, um dos piores longas de seu catálogo. Sim, dá pra quase sentir o cheiro da grama e acreditar que estão filmando a animação num cenário real, mas isso é o mais próximo de algo verdadeiro. Diferente do que costumeiramente faz, o estúdio trata o público como se fosse formado somente por crianças de cinco anos. A narrativa é infantilizada, com desenvolvimento raso, personagens ruins (especialmente os coadjuvantes) e piadas bobas, fazendo Minions (quase) parecer um filme inteligente. Se havia boas intenções, elas desaparecem rapidamente em O Bom Dinossauro. Se visualmente é fantástico, o roteiro é o oposto disso, não havendo alma no projeto.

The Good Dinosaur

14. Vida de Inseto (A Bug’s Life, 1998)

Direção: John Lasseter, Andrew Stanton

O segundo filme da Pixar não seguiu a qualidade suprema de Toy Story, mas ainda assim foi importante para dar continuidade ao estúdio. A trama segue a vida de um formigueiro, cada um com a sua designação. Mas é claro que nem todos querem seguir isso e nem são compatíveis com suas funções. Flik, o protagonista, não quer ser mais um mero operário. Ele entra em altas confusões e coloca seus colegas em perigo, precisando da ajuda de outros insetos. O filme critica a padronização da sociedade e fala também sobre aceitar o diferente, o que ainda hoje é uma pauta válida.

1920x1080 Wallpaper

13. Carros (Cars, 2006)

Direção: John Lasseter, Joe Ranft

Esse filme faz uma analogia entre pessoas e carros; na verdade, os carros fazem tudo o que fazemos, incluindo as burrices e a falta de educação com os outros. Relâmpago McQueen está começando a carreira nas corridas, e na sua primeira temporada da Copa Pistão ele já pretende vencer para realizar o sonho de trabalhar com a Dinoco, melhor e principal marca da corrida.

Acontece que o desejo pela vitória acaba atrapalhando Relâmpago, que pensa que pode se virar sozinho na competição sem uma equipe, e na ultima volta da corrida, prestes a vencer, ele acaba com os dois pneus traseiros estourados e gera um empate com o Rei e Chicks. A corrida para desempatar será na Califórnia, e McQueen quer chegar o quanto antes no local. Sem paradas para descanso, Mack, o caminhão que está o levando para lá, acaba dormindo na estrada e McQueen fica para trás e vai parar em uma cidadela de poucos habitantes e nenhum turista, chamada Radiator Springs. Lá ele conhece carros mais antigos e humildes, acaba destruindo a rua principal da cidade e é obrigado a reconstruí-la. Ele aprende na marra o que é companheirismo e acaba simpatizando com os habitantes.

Cars 2006

12. Universidade Monstros (Monsters University, 2013)

Direção: Dan Scanlon

Muitas continuações não chegam aos pés do filme original, ou em alguns casos acabam diminuindo o legado da franquia. Felizmente, isso não é o que acontece aqui. Na verdade, Universidade Monstros não pode ser chamado de continuação, podendo ser denominado como prelúdio. O longa vai a fundo na vida de Sulley e Mike em sua época de faculdade, com um roteiro bem amarrado e nada óbvio. Chama a atenção o fato de uma animação conseguir mexer em temas delicados como o bullying. Todo o enredo é bem eficaz e funciona perfeitamente como uma boa história de origem.

MONSTERS UNIVERSITY

11. Valente (Brave, 2012)

Direção: Mark Andrews, Brenda Chapman, Steve Purcell

Valente mostrou como o estúdio evoluiu em termos técnicos (o cenário baseado na Escócia e todos os seus detalhes, os humanos e o mais impressionante, o cabelo todo cacheado da protagonista), mas a narrativa é um pouco mais simples do que os grandes sucessos do estúdio. Ainda assim, há coisas boas ali. É a primeira vez que a Disney traz uma princesa independente, que não quer casar, o que causa uma quebra de esteriótipos. O mais bacana aqui é mesmo a relação entre a princesa Merida e sua mãe, a rainha Elinor. O desfecho é mais do que previsível, mas o roteiro consegue injetar uma boa dose de emoção na reta final.

Brave

10. Toy Story 2 (1999)

Direção: John Lasseter, Ash Brannon, Lee Unkrich

Em Toy Story 2, Woody vai salvar um companheiro que, por engano, foi parar no bazar de brinquedos. Mas o caubói acaba sendo levado por um colecionador, e Woody descobre sua história. Ele era um famoso personagem de desenho há algumas décadas, e encontra os colegas do desenho na casa desse colecionador. Todos os brinquedos vão ser enviados para o Japão. Enquanto isso, Buzz Lightyear planeja salvar o caubói com a ajuda dos outros brinquedos. Woody passa por uma breve crise existencial, mas o patrulheiro espacial consegue salvá-lo a tempo de ser enviado para o outro lado do mundo, e é claro que os novos companheiros de Woody, vão junto com ele, para o verdadeiro lar de Woody e Buzz.

Toy Story 2

9. Monstros S.A. (Monsters Inc., 2001)

Direção: Pete Docter, David Silverman, Lee Unkrich

Se tem uma coisa que criança tem medo é de bicho papão. Mas o que ninguém sabia é que existe uma fábrica em um universo paralelo, onde os operários são os monstros dos sonhos e sua função é aparecer para as crianças no meio da noite e assustá-las. Cada susto gera energia, e quanto maior o susto, mais energia. Sem essa energia a fábrica não funciona. Sully é conhecido por ser o pior monstro. Ele é um bicho enorme de pelos azuis e com chifres, e tem a ajuda de Mike, seu companheiro de trabalho e melhor amigo, que é um monstrinho em forma de uma bola verde com um olho no meio do rosto.

Quando um monstro entra em contato com uma criança, eles consideram que o mesmo está infectado, por isso todo cuidado é pouco. Acontece que em uma bela noite, Sully vai assustar Boo, uma menininha fofa que fica encantada pelo monstro peludo. Assim, cresce uma amizade entre os dois, e Sully faz de tudo para que ninguém machuque a menina.

MONSTERS, INC. 3D

8. Ratatouille (2007)

Direção: Brad Bird, Jan Pinkava

Remy é um rato comum e não um roedor glamuroso como é Mickey Mouse. Ele e sua família vivem de restos, moram em esconderijos. Porém, Remy nasceu com o dom gastronômico e o sonho dele é poder degustar e cozinhar comidas da melhor qualidade. Improvável para um rato. Certo? Errado! Na Pixar tudo é possível. O longa traz de maneira incrível esse mundo alternativo dos roedores, o que fica lindo na tela, além de conseguir deixar pratos culinários animados nos dar água na boca. Poucas coisas são tão poéticas quanto a combinação de sabores (e a forma como o diretor Brad Bird criou para ilustrá-la) e como a comida pode trazer sentimentos e memórias lá do fundo do baú. Quando o crítico gastronômico saboreia o ratatouille, é indescritível a beleza daquele momento. De quebra, ainda há uma reflexão interessante sobre o mundo dos críticos em geral.

Ratatouille

7. Procurando Nemo (Finding Nemo, 2003)

Direção: Andrew Stanton, Lee Unkrich

A Pixar foi provando, filme a filme, que é capaz de trabalhar com qualquer temática, sendo seus personagens humanos, animais ou objetos. Procurando Nemo traz a história de um peixe palhaço, chamado Marlin, que teve sua esposa e todos os seus filhos, exceto um, devorados por um peixe maior. Restou Nemo. O pai então se tornou super-protetor e nunca quis deixar o filho viver sua vida. Até que ele finalmente se rebelou e foi capturado pelos humanos. O longa-metragem traz personagens divertidos como o tubarão vegetariano Bruce e a adorável Dory, que tem memória de curto-prazo e constantemente esquece o que está fazendo. Como foi se confirmando, a Pixar consegue entreter, divertir e emocionar. Como tema universal, temos aqui a paternidade e a amizade. O aspecto visual é belíssimo, o roteiro é caprichado (todas as gags são pontuais) e rolam até umas lágrimas.

FINDING NEMO 3D

6. Toy Story (1995)

Direção: John Lasseter

Já ouviu aquela frase “Ao infinito, e além”? Bem-vindo ao filme que a originou. Sim, estou falando de Toy Story, a primeira obra da Pixar. O que mais encanta no filme é que depois da brincadeira, os brinquedos ganham vida. O longa tem 20 aninhos, mas continua sendo um amor.

Woody é um caubói que zela pelo companheirismo e faz de tudo para cuidar dos outros brinquedos. É o aniversário de Andy, e os brinquedos estão apavorados porque se aparecer um brinquedo novo, alguém é jogado fora. Eles montam uma força tarefa para acompanhar a abertura dos presentes e é ai que Buzz Lightyear aparece. Lembra da frase no começo do texto? É dele. O patrulheiro espacial deixa Woody com ciúmes, afinal ele é novo e todos estão encantados por ele. O caubói tenta se livrar de Buzz, mas acaba se metendo em uma enrascada, e para não perder o brinquedo novo de Andy e ficar com a barra suja com os colegas, Woody vai salvar Buzz e os dois têm a sua primeira aventura juntos.

Toy Story

5. Os Incríveis (The Incredibles, 2004)

Direção: Brad Bird

Os Incríveis é um dos grandes acertos da Pixar. O longa-metragem é uma bela homenagem ao mundo dos super-heróis. A história é sobre um casal de pessoas com super-poderes – o Sr. Incrível e Elastigirl – que resolveram deixar a vida heroica para ter uma normal por conta de uma lei que obriga os super-heróis a deixar de combater o crime. Eles vivem em um subúrbio, juntamente com os três filhos, cada um com um poder diferente, enquanto ela fica de dona de casa e ele trabalha num escritório, cheio de burocracia. A narrativa é perfeita ao abordar como seria deixar pra trás o passado heroico para viver como qualquer outra pessoa, algo que muitos heróis almejam nas mais diversas HQs, mas raramente alcançam. O tédio do trabalho comum, os estresses do dia a dia, criar os filhos. Claro que isso chega ao fim em algum ponto do filme, e quando a família se une para combater o mal é tão incrível quanto a vida comum deles. Brad Bird cria uma obra prima da animação, com muita ação (algo nunca visto antes na Pixar), humor afiado e um coração imenso, o que é marca registrada do estúdio.

The Incredibles

4. UP: Altas Aventuras (Up, 2009)

Direção: Pete Docter, Bob Peterson

Esse é um dos filmes que mostra melhor o tamanho da originalidade e genialidade da Pixar. A relação entre o idoso Carl Fredricksen e o pequeno escoteiro Russell é uma das coisas mais belas do cinema nas últimas décadas. É uma animação que vai muito além do aspecto visual – maravilhoso, diga-se de passagem – com um roteiro bem estruturado e amarrado. Assim como a trilogia Toy Story, é um filme que tem um grande apelo com todos os públicos. Não é necessária uma continuação, o longa funciona dessa forma, possuindo uma história coesa e fechada. Destaque para a cena inicial da película, mostrando a história de amor de Carl. Quem não chora nessa sequência não tem coração, está comprovado cientificamente.

Up Pixar

3. Divertida Mente (Inside Out, 2015)

Direção: Pete Docter, Ronaldo Del Carmen

Após um ano de hiato, a Pixar voltou a sua forma com Divertida Mente. A história acompanha Riley, uma garota de 11 anos, que é obrigada a mudar de cidade com seus pais. Durante a adaptação, menina acaba entrando em depressão. Para entender o que se passa, o espectador é levado para dentro da mente de Riley e conhecer as cinco emoções que ali habitam: Alegria, Nojinho, Raiva, Tristeza, Raiva e Medo. Elas são quem regem as atitudes e os sentimentos de Riley. O longa consegue abordar temas adultos de maneira extremamente original. O filme consegue brincar e explicar o inexplicável de maneira prática e objetiva. As lembranças armazenadas, as ilhas que delineiam o caráter da pessoa, o motivo pelo qual algumas memórias são deixadas para trás e onde elas vão parar, como os sonhos são feitos e até mesmo porque algumas músicas chatas ficam na cabeça, retornando constantemente. O amigo imaginário também está lá, relembrando a infância, mas perdido entre as antigas memórias. É fácil de se relacionar pelo simples fato de que é uma obra essencialmente humana. Se agrada as crianças pelas brincadeiras, pelas cores e as características das emoções, os adultos se debulham em lágrimas ao serem remetidos à infância e a nostalgia bate forte.

Inside Out 11

2. Toy Story 3 (2010)

Direção: Lee Unkrich

É impossível assistir Toy Story 3 e não se identificar com a situação de Andy, ao dar seus brinquedos. O terceiro filme da franquia mais amada da Pixar, pega o espectador pela emoção – e a ‘‘facada’’ é bem profunda. Um dos maiores méritos da produção é conseguir envolver crianças e adultos, trabalhando com a imaginação dos pequenos e faz os crescidos lembrarem de sua infância, além de pontuar a importância da amizade. Uma coisa que é difícil de evitar são as lágrimas, mas elas são especiais. Claro que não são de tristeza, mas sim de emoção e alegria, por saber que Woody e sua turma encontraram um ótimo lugar e por ver Andy brincar pela última vez.

Toy Story 3

1. Wall-E (2008)

Direção: Andrew Stanton

Em 2008, Wall-E e Batman: O Cavaleiro das Trevas provaram que animações e blockbusters/filmes de super-heróis podem ser tão bons quanto os dramalhões do Oscar. Infelizmente, a Academia, na época, não os colocou entre os indicados a melhor filme. No entanto, na cerimônia seguinte, o Oscar abriu a categoria de melhor do ano para até 10 indicados, e aí Up: Altas Aventuras e Toy Story 3 conseguiram a nomeação. Tudo isso foi pra dizer que Wall-E é uma das obras mais peculiares da década passada, além de ser a melhor coisa que a Pixar já fez durante sua vida.

Num futuro não tão distante assim do nosso, a Terra ficou inabitável com tanta poluição, que os humanos foram morar numa nave gigante fora da nossa órbita. Wall-E é um robô que vai juntando e empilhando lixo. Ele tem certa admiração pelo planeta e pela nossa cultura. Na companhia de uma barata, ele vive sozinho, até a chegada de uma robô, EVE, que veio para tentar achar vida na Terra.

Quase não há falas no filme e mesmo assim funciona. A relação entre os dois robôs é super delicada, cheia de atrapalhadas, recurso que lembra os filmes mudos de Charles Chaplin. Além disso, o longa serve como um belo estudo sobre a humanidade e como somos, de certa forma, escravos da tecnologia e da propaganda, e de vez em quando precisamos de um empurrãozinho para nos rebelarmos e enxergamos a beleza da vida. Wall-E traz certa ingenuidade, mas essa inocência é que faz da obra algo tão raro, belo e comovente.

Wall-E

Artigo publicado originalmente em 19 de junho de 2015. 

Por Eliz Haacke, Mikael Melo & Rodrigo Ramos
Anúncios

2 opiniões sobre “Todos os filmes da Pixar, ranqueados do pior ao melhor”

  1. VSF carros Nao eh a pior franquia da pixar esses criticos idiotas nao sabem de nada pois carros 2 nao foi e jamais sera o pior filme da pixar na minha opniao a pixar nao possui um melhor nem um pior filme pois todos foram muito bons

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s