Madonna – Rebel Heart | Review

Depois de dois discos preguiçosos, a rainha do pop retorna em disco com personalidade

Madonna Rebel HeartEm 33 anos de carreira, vimos Madonna se reinventar diversas vezes. Seja polemizando com a Igreja Católica, seja falando abertamente sobre sexo e suas consequências, a principal referência da música pop continua firme e forte com uma carreira que atravessou gerações de fãs, criando novas hordas a cada ano. Da garota rebelde que saiu de casa para se aventurar das melhores e piores maneiras em Nova York para uma mulher poderosa de negócios, cantora, compositora, produtora, diretora e – olhem só – escritora (vamos ignorar que um dia ela tentou ser atriz), Madonna sempre gostou de quebrar paradigmas e, invariavelmente, criar novos. Também nunca deixou de transmitir a mensagem de que um mundo melhor é aquele que adota a liberdade de expressão e a igualdade entre as pessoas, sem preconceitos de raça, credo, sexualidade e gênero.

Após 12 álbuns de estúdio, diversas coletâneas e muitos singles lançados, a Rainha do Pop retorna às paradas musicais e ao foco da mídia para lançar seu 13º trabalho, intitulado Rebel Heart. O disco passou por diversos testes antes de chegar aos ouvidos dos fãs e curiosos do mundo todo. Na carreira de Madonna, inclusive, a tradição de “vazar” músicas inacabadas na internet remontam ao tempo de Music, disco lançado em 2000. A cantora sempre gostou de testar seu público antes de bater o martelo na produção – pois, ao contrário do que muitos imaginam, Madonna realmente senta a bunda na cadeira e produz as faixas de seus discos ao lado de seus colaboradores. Antes de lançar Confessions on a Dance Floor, em 2005, Stuart Price, principal produtor do álbum, tocava os instrumentais das músicas em produção em seus sets de discotecagem para observar a reação do público; se todos dançassem loucamente, Price contava a Madonna, que seguia naquela direção. Rebel Heart, no entanto, sofreu ataques ilegais e muitas – muitas mesmo – demos caíram na web para deleite de alguns fãs e pesadelo para a cantora. Ela, então, decidiu adiantar o lançamento, liberando algumas faixas já finalizadas antes do Natal e depois de sua apresentação no Grammy desse ano, respectivamente.

Agora, porém, Rebel Heart, o 13º disco de Madonna está disponível oficialmente. E, diferentemente de seus dois últimos trabalhos de estúdio (Hard Candy e MDNA), Rebel Heart não soa preguiçoso; pelo contrário, o disco recebeu uma produção arrojada que contou com a participação de muitos produtores, incluindo na mega lista nomes como Diplo, Avicii e Kanye West.

Ao mesmo tempo que Madonna toma caminhos que recebem a influência moderna de seus produtores, principalmente nas batidas de West em “Illuminati”, ela parece querer revisitar não apenas as reinvenções que foi criando ao longo de sua carreira, mas também se referenciar: em alguns momentos, o faz literalmente, sampleando versos inteiros de “Vogue” em “Holy Water” ou de “Justify My Love” em “Best Night”. Os dois casos, porém, não são gratuitos, os versos são inclusos em um contexto que os valorizam. Já em “Veni Vedi Vici”, Madonna transforma nomes de hits em momentos pessoais, provando para o ouvinte que nada foi por acaso, tudo foi orquestrado para um êxito.

Esse ato de voltar ao que já foi feito pode ser separado em “personas” dentro de Rebel Heart. Ouvimos ali a persona religiosa de Madonna em “Devil Pray”, com direito àquele tom apocalíptico já bem conhecido da cantora; ouvimos a persona sexual em faixas como “Body Shop”, “Holy Water”, “Best Night” e, claro, em “S.E.X.”, entrando uma Madonna que sussurra, geme, brinca com as palavras e com o imaginário de quem a ouve e que ainda deseja falar sobre sexo em uma sociedade do século XXI que o vê como tabu. Há também uma persona “superei você”, em músicas como o carro-chefe “Living For Love” e nas duas faixas de sonoridade mais distante das já experimentadas pela cantora: “Unapologetic Bitch” e “Bitch I’m Madonna”: os fãs passando por términos de relacionamento recentes provavelmente se apegarão a cada uma delas.

Apesar da quantidade de baladas no álbum ser significativa, elas estão espalhadas pela tracklist, oferecendo descanso para se tomar um fôlego antes de se encarar o próximo provável hit. Elas acompanham uma persona madonnesca que fala sobre o amor de uma forma que pende entre a saudade e a entrega, uma voz que canta momentos de dor e de alívio, dependendo da distância de seu verdadeiro amor; parece mimimi, mas Madonna ainda é capaz de encantar com boas baladas, e as provas sonoras são “Ghosttown”, “HeartBreakCity” e “Wash All Over Me” – prepare-se para ouvir muitos violinos, corais cantando ao fundo e batidas melancólicas.

Por último, ouve-se a persona “superstar”. Se em MDNA havia Nicki Minaj e M.I.A. para babar ovo e cantar para os fãs o quanto Madonna é linda e maravilhosa, o lado superstar de Madonna em Rebel Heart soa mais filantrópico, mais humilde: em “Iconic”, a mensagem é a de que cada um pode fazer brilhar sua própria estrela, e o mais interessante da faixa é o crescendo durante os versos que antecedem o refrão: aumentando a expectativa do ouvinte, tal crescendo demonstra o quanto a faixa pode fazer sucesso nas pistas de todo o mundo, além dos trocadilhos feitos por Madonna na letra (“I can, icon, two letters apart” e “Iconic, iconic, ironic”), a cereja do bolo. E, por último, a faixa-título também segue a mesma linha, escancarando uma opinião própria sobre o seu famigerado narcisismo, além de uma volta às origens, motor que a levou a buscar seus caminhos e tornar-se o ícone que foi e ainda é não só para os fãs, mas também para a mídia e para o mundo moderno.

Se Rebel Heart passou por diversos testes antes mesmo de chegar às lojas, agora que se mostra um disco maduro e coeso, o sucesso já está garantido. A condição, daqui em diante, é se Madonna ainda vai desejar revisitar o que já foi revisitado. Ainda há esperança para novos Erotica e Ray of Light na carreira da Rainha do Pop?

4 STARS

Por Ewerton Mera
Anúncios

Uma opinião sobre “Madonna – Rebel Heart | Review”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s