Não vejo o que ouço – Parte 3

A digitalização do cinema De acordo com a Revista Filme B, edição de maio de 2012, Balneário Camboriú é a cidade brasileira com maior número de ingressos per capita – a média foi de 4,17 ingressos por habitante em 2011. Por esta ser uma cidade com grande frequência da população nas salas de projeção, o diretor nacional do GNC Cinemas, Ricardo Defini Leite, toma todas … Continuar lendo Não vejo o que ouço – Parte 3

Não vejo o que ouço – Parte 2

Muita informação Os números da pesquisa do Datafolha não apontam um aumento no público de filmes dublados, mas esse público se estabilizou. O que se percebe é que há oferta maior de cópias com áudio em português. Segundo o instituto Rentrak, especializado em pesquisas de mercado sobre cinema, em 2010 entraram em cartaz 44 filmes na versão dublada. Já em 2012, o número quase dobrou. … Continuar lendo Não vejo o que ouço – Parte 2

Não vejo o que ouço – Parte 1

O embate entre os que preferem dublado ou legendado e a qualidade dos dois tipos de tradução. Quinta-feira à noite, por volta das 23h45. Normalmente, o shopping estaria fechado por completo, suas lojas, praça de alimentação e o cinema. Mas hoje o cenário é diferente. O burburinho já está instaurado. Filas se formam e pessoas de várias faixas etárias estão presentes no recinto. Um grupo … Continuar lendo Não vejo o que ouço – Parte 1