Não vejo o que ouço – Parte 5

O cenário da dublagem nacional No Brasil, a Associação Nacional dos Artistas de Dublagem é quem defende os direitos autorais das vozes dos dubladores relacionados ao contrato de exibição do meio audiovisual, mas quem responde pelos atores/dubladores é o Sindicato dos Artistas e Técnicos em Espetáculos e Diversões (SATED). Para ser dublador no país, a legislação exige o registro profissional de ator. Michael Bahr, professor … Continuar lendo Não vejo o que ouço – Parte 5

Não vejo o que ouço – Parte 4

Na TV Por muitos anos a televisão por assinatura era considerada artigo de luxo para apenas uma pequena fatia da população – aquela com uma renda alta. As classes A e B, no entanto, não são mais as únicas com condições financeiras para ter TV paga. Alexandre Annenberg, presidente da Associação Brasileira de TV por Assinatura (ABTA) afirmou, em reportagem publicada no dia 1º de … Continuar lendo Não vejo o que ouço – Parte 4

Não vejo o que ouço – Parte 3

A digitalização do cinema De acordo com a Revista Filme B, edição de maio de 2012, Balneário Camboriú é a cidade brasileira com maior número de ingressos per capita – a média foi de 4,17 ingressos por habitante em 2011. Por esta ser uma cidade com grande frequência da população nas salas de projeção, o diretor nacional do GNC Cinemas, Ricardo Defini Leite, toma todas … Continuar lendo Não vejo o que ouço – Parte 3

Não vejo o que ouço – Parte 2

Muita informação Os números da pesquisa do Datafolha não apontam um aumento no público de filmes dublados, mas esse público se estabilizou. O que se percebe é que há oferta maior de cópias com áudio em português. Segundo o instituto Rentrak, especializado em pesquisas de mercado sobre cinema, em 2010 entraram em cartaz 44 filmes na versão dublada. Já em 2012, o número quase dobrou. … Continuar lendo Não vejo o que ouço – Parte 2

Não vejo o que ouço – Parte 1

O embate entre os que preferem dublado ou legendado e a qualidade dos dois tipos de tradução. Quinta-feira à noite, por volta das 23h45. Normalmente, o shopping estaria fechado por completo, suas lojas, praça de alimentação e o cinema. Mas hoje o cenário é diferente. O burburinho já está instaurado. Filas se formam e pessoas de várias faixas etárias estão presentes no recinto. Um grupo … Continuar lendo Não vejo o que ouço – Parte 1