Arquivo da tag: Daddy Yankee

American Music Awards 2017 | Confira a lista dos ganhadores

Bruno Mars é o grande vencedor da noite. O AMAs aconteceu neste domingo (19).

Continuar lendo American Music Awards 2017 | Confira a lista dos ganhadores

Anúncios

Há 10 Anos na Música | Review Retrô

Por Rodrigo Ramos

Previamente resolveu fazer um grande especial, um Review Retrô com o que aconteceu há dez anos na cultura pop, abraçando o cinema, a TV e a música. Nós olhamos o passado com bons olhos e curtimos uma nostalgia caprichada.

Confira a primeira parte do especial Há 10 Anos no Cinema

Confira a segunda parte do especial Há 10 Anos na TV

Nesta terceira e última edição, fizemos um apanhado sobre os 50 principais singles que representam a essência de 2004, além dos cinco álbuns mais marcantes deste ano – não necessariamente os melhores, mas os que ainda hoje lembramos com muito carinho e nem parece que saíram há tanto tempo assim.

Cinco Discos Marcantes de 2004!

Franz Ferdinand – Franz Ferdinand
Dois mil e quatro foi um ano em que o indie rock explodiu de tal maneira que ninguém anteriormente poderia prever. Teve álbum das bandas Kasabian, Interpol, The Libertines e Iron & Wine. Porém, destaque de verdade foi o disco de estreia dos escoceses do Franz Ferdinand. Autointitulado, o cd não é melodicamente original e tampouco suas letras, porém a banda consegue manter tudo interessante o suficiente para criar um espectro de diversão sonora. Há momentos empolgantes como em “Cheating on You” e “Michael”, outros mais introspectivos como em “Come on Home” e grandes faixas que se transformam dentro de si próprias como “Jacqueline” e “Take Me Out”, esta uma das melhores faixas da década passada.

Franz Ferdinand - Franz Ferdinand

Arcade Fire – Funeral
Olhando pra trás, hoje é fácil identificar Funeral como um dos melhores álbuns da década passada. Em seu primeiro trabalho, os caras do Arcade Fire já mostraram o que iriam entregar para todos nós ao longo dos anos. A ousadia musical é um dos fatores que chama a atenção. É uma verdadeira salada mista sonora, com uma rica variedade instrumental e até vocal. A sensação é de estar diante de uma ópera, em que cada ato (neste caso, faixa) é uma singular história (não é só na música country que se conta histórias, afinal) e que culmina num impactante ápice ao final de cada um deles, mas que juntos se tornam uma grandiosa obra. Emociona, empolga, arrepia. É o tipo de disco que se espera de um grupo com anos de estrada e muita experiência nas costas, mas o Arcade Fire provou logo de cara que seria uma das maiores bandas do planeta – e continua provando isso.

Arcade Fire - Funeral

Kanye West – The College Dropout
Para mim, o rap (re)nasceu a partir de 2004 quando ouvi esse disco. Nunca fora o meu gênero favorito, mas Kanye West traz um frescor à ele em seu trabalho que é impossível não se envolver e se entreter ao som de The College Dropout. Aqui ele ainda era um cara modesto dentro das possibilidades – nada de Yeezus. Suas canções não seguem um padrão rítmico, sendo cada faixa fazendo parte de seu próprio universo. Ele consegue ser mais simpático em faixas como “We Don’t Care”, mais intimista como em “All Falls Down”, político e religioso como em “Jesus Walks”, fala sobre família em “Family Bussiness”, e visita o R&B como em “Slow Jamz”. Kanye mostra grande facilidade na hora de criar melodias e letras, alcançando rimas impensáveis e trazendo à tona várias histórias e temas diferentes. Tudo bem, Jay Z é sortudo por ter Beyoncé, mas desde 2004 não há dúvidas de que Kanye West é o rei do rap e hip-hop. E ele sabe disso.

The College Dropout

Green Day – American Idiot
Um dos principais representantes do punk-rock de garagem dos anos 90, o Green Day se reinventou com American Idiot, um álbum odiado por alguns dos fãs xiitas que acham que eles tinham de permanecer na inércia dos álbuns anteriores. Não me entenda mal. O Green Day das antigas é muito bom no que faz, mas o sentimento de rebeldia jovial não funciona da mesma forma depois que se passa dos 30 anos. Por isso CPM 22 não faz mais sucesso hoje, pessoal, felizmente (ou não). American Idiot é um verdadeiro desafio para a banda liderada por Billie Joe Armstrong. Ainda há vestígios do DNA noventista, porém a sonoridade é bem mais adulta e apresenta um rock bem mais organizado. American Idiot não parece ter sido feito na garagem – para o bem e para o mal. A grande sacada aqui é transformar o disco em uma ópera rock, transformando as faixas, bem diferentes entre si, numa única narrativa. “Jesus of Suburbia”, canção de pouco mais de nove minutos, representa muito bem a bipolaridade do álbum. Ela própria é uma das melhores, mas vale também destacar a zoeira “American Idiot”, a punk “St. Jimmy” e a tocante “Wake Me Up When September Ends”. Outro trunfo do sétimo disco da banda é inserir um contexto político e trabalhar melhor suas letras, que em trabalhos anteriores por vezes eram vazias, mas que aqui possuem significado.

Green Day American Idiot

The Killers – Hot Fuss
É difícil uma banda acertar tão em cheio logo no primeiro disco. Aqui nesta lista já vimos alguns casos de que isso é possível. Pois bem, The Killers surgiu faz 10 anos com Hot Fuss, um disco quase irretocável. Desde a primeira faixa, “Jenny Was a Friend of Mine”, já dá pra perceber que a banda quer levantar voo e fazer as caixas de som explodir, misturando synth-pop com um rock n roll caprichado, movido a refrões empolgantes para serem cantados no volume mais alto que a sua voz conseguir alcançar. É uma canção melhor do que a outra, desde as mais pessoais como “Mr. Brightside” e “Smile Like You Mean It”, até as mais empolgantes e divertidas e dançantes como “Somebody Told Me” e “Midnight Show”. Brandon Flowers sabe como escrever uma letra e o hype em cima da banda e do disco não é em vão. Pena que ao longo dos anos não tenha conseguido manter o alto nível desse jeito.

The Killers - Hot Fuss

As 50 Músicas Que Marcaram 2004!

A seleção de músicas abaixo não necessariamente aponta quais foram as melhores. O intuito desta lista é lembrá-lo o que estava tocando no som dos carros, nas rádios, no seu mp3, na internet, nas festas e na MTV. Algumas delas até são de 2003, mas estouraram somente em 2004. Então aumente o volume, mergulhe na nostalgia e aproveite essas canções.

Britney Spears – “Toxic”

Evanscense – “My Immortal”

Maroon 5 – “She Will Be Loved”

Alicia Keys – “If I Ain’t Got You”

Avril Lavigne – “My Happy Ending”

Kanye West – “Jesus Walks”

Ja Rule – “Wonderful (feat. Ashanti & R. Kelly)”

Kelly Clarkson – “Breakaway”

Destiny’s Child – “Lose My Breath”

Snoop Dogg – “Drop It Like It’s Hot (feat. Pharrell)”

Arcade Fire – “Neighborhood #1 (Tunnels)”

Gwen Stefani – “What You Waiting For?”

Franz Ferdinand – “Take Me Out”

Jay Z – “99 Problems”

Fabolous – “Breathe”

M.I.A. – “Galang”

The Killers – “Mr. Brightside”

Black Eyed Peas – “Let’s Get it Started”

Blink 182 – “I Miss You”

Counting Crows – “Accidentally in Love”

Pitty – “Equalize”

Keane – “Somewhere Only We Know”

JoJo – “Leave (Get Out)”

Joss Stone – “You Had Me”

Daddy Yankee – “Gasolina”

Vanessa da Mata – “Ai, Ai, Ai”

Seu Jorge – “Tive Razão”

Natasha Bedingfield – “These Words”

Green Day – “Boulevard of Broken Dreams”

U2 – “Vertigo”

Khia – “My Neck, My Back (Lick It)”

Eric Prydz – “Call On Me”

Kylie Minogue – “Red Blooded Woman”

John Mayer – “Daughters”

O-Zone – “Dragostea Din Tei”/ Latino – “Festa no Apê”

Slipknot – “Duality”

Ashlee Simpson – “Pieces of Me”

Eminem – “Just Lose It”

Titãs – “Enquanto Houver Sol”

The Strokes – “Reptilia”

David Guetta – “The World is Mine (feat. JD Davis)”

Ciara – “Goodies (feat. Petey Pablo)”

Beastie Boys – “Ch-Check It Out”

My Chemical Romance – “I’m Not Okay (I Promise)”

Simple Plan – “Welcome to My Life”

Nina Sky – “Move Ya Body”

Usher – “Yeah! (feat. Ludacris & Lil Jon)”

Beyoncé – “Naughty Girl”

Hoobastank – “The Reason”

Outkast – “Hey Ya!”