Capitão América 2: O Soldado Invernal | Review

A Marvel entra de cabeça no mundo da espionagem e faz seu melhor filme até então

Capitão América 2 o soldado invernal

Por Rodrigo Ramos

A Marvel Studios veio com uma proposta ambiciosa desde que estreou nos cinemas com Homem de Ferro, em 2008. Assim como existe nos quadrinhos, sua origem, ela queria construir um universo próprio também nas telonas. Para isso, foram feitos alguns longas dispensáveis, outros divertidos, e até alguns repetitivos. Teve espaço para experimentar algumas coisas para checar o que dava certo até mesclar os principais heróis disponíveis no catálogo da Marvel em Os Vingadores, o que aconteceu em 2012. O filme foi o mais acertado da filmografia do estúdio até então.

No ano passado foi iniciada a Fase 2 da Marvel nos cinemas com Homem de Ferro 3, que foi o longa que menos ligou para o universo inteiro e pouco contribuiu para pano de fundo da sequência de Os Vingadores. Thor 2 já interagiu mais. Apesar de as duas primeiras películas da nova fase da Marvel serem superiores aos seus antecessores, nenhum deles ainda dava conta de ser um trabalho completo como era aquele com a liga dos super-heróis formada em 2012.

Capitão América 2: O Soldado Invernal certamente não entrou em cartaz como um dos longas-metragens mais aguardados do ano. O primeiro é competente e cria uma ambientação de aventura a la Indiana Jones junto com filme de super-herói. Porém, ainda faltava substância ali. A sensação que ficou neste e em Os Vingadores é a de que o Capitão América (Chris Evans) não é tão super quanto os demais heróis, sendo ofuscado por Tony Stark, Loki, Nick Fury, Bruce Banner, entre outros personagens do universo Marvel nas telas. Logo, um dos principais desafios aqui era fazer com que Steve Rogers se tornasse interessante.

Esta é uma das principais virtudes do longa-metragem dirigido pelos irmãos Anthony e Joe Russo, responsáveis por uma penca de episódios da série Community e Arrested Development. Em primeiro lugar, conseguem tirar a imagem de que Rogers é um defensor da bandeira americana. Logo no início do longa ele já começa a se questionar sobre o seu patriotismo e até onde vale a pena lutar pela sua nação. Os caras por trás da produção conseguem dar uma tridimensionalidade não vista antes, conseguindo mesclar o lado dramático, o heroico, o intimista e até mesmo engraçado dele. De um modo geral, o longa consegue com eficiência de sobra introduzir novos personagens e desenvolvê-los de forma satisfatória na tela. Tanto os velhos conhecidos como Nick Fury (Samuel L. Jackson) e Viúva Negra/Natasha Romanoff (Scarlett Johansson), como os novos Alexander Pierce (Robert Redford), Soldado Invernal (Sebastian Stan) e Falcão/Sam Wilson (Anthony Mackie) têm tempo o suficiente na tela para provarem sua relevância, mostrando que apesar de serem coadjuvantes são peças tão importantes na estória quanto o protagonista.

O clima empregado aqui é bem mais sério do que os demais longas da Marvel. Não, o estúdio não começa neste trabalho a deixar seus filmes mais sisudos, como é a trilogia O Cavaleiro das Trevas. No entanto, as brincadeiras estão em menor número (nada excessivo como em Homem de Ferro 3, por exemplo), mas ainda estão lá. É muito mais um humor para quebrar a tensão do que para tirar uma boa risada. E funciona.

Um novo elemento no universo Marvel implantado aqui é o de espionagem, o que faz todo o sentido dentro da proposta da S.H.I.E.L.D. Os questionamentos, teorias de conspiração, a desconfiança geral, tudo cai como uma luva para o desenrolar da estória. A paranoia toma conta e juntamente com as cenas de ação bem coreografadas e realistas (dentro do possível para um filme de super-herói) acabam transformando Capitão América 2 em um filme de espionagem situado entre a trilogia Bourne e Três Dias do Condor.

cobie smulders cap america 2

O longa tem o êxito em funcionar por si só e também como parte de todo o mundo Marvel dos cinemas. Os acontecimentos do filme têm tanto efeito para o personagem quanto para todo o universo cinematográfico do estúdio e até mesmo a série de TV Agents of S.H.I.E.L.D., que já mostra em seus últimos episódios as influências do que acontece aqui. Capitão América 2 é uma amostra de que a Marvel está disposta a tudo para dominar o gênero de super-heróis nas telonas – e está conseguindo com facilidade, já que a DC Comics está comendo poeira há algum tempo.

anthony mackie cap america 2

Capitão América 2: O Soldado Invernal é uma grande mudança para a Marvel, provando que dá pra ir muito além do que tem se feito até então. Dentro de sua filmografia, dá pra trocar de gênero, fazer grandes viradas e mudar a qualquer hora o curso da história. É com equilíbrio ímpar em tom, sacadas, atuações, desenvolvimento, ação, emoções e surpresas que Capitão América 2 se torna o melhor filme da Marvel até agora. Mas isso ainda está aberto para discussão. O que não dá para negar é que a disputa entre os blockbusters deste ano começou com força total.

chris evans and scarlett johansson cap america 2

Captain America: The Winter Soldier
EUA, 2014 – 136 min
Ação

Direção:
Anthony Russo, Joe Russo
Roteiro:
Christopher Markus, Stephen McFeely
Elenco:
Chris Evans, Scarlett Johansson, Sebastian Stan, Anthony Mackie, Cobie Smulders, Frank Grillo, Emily VanCamp, Hayley Atwell, Robert Redford, Samuel L. Jackson, Toby Jones

4.5 STARS

2 comentários

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.