Somos Tão Jovens | Review

Somos Tão Jovens

Somos Tão Jovens
Brasil, 2013 – 104 min
Drama

Direção:
Antônio Carlos da Fontoura
Roteiro:
Marcos Bernstein
Elenco:
Thiago Mendonça, Laila Zaid, Bianca Comparato, Bruno Torres, Olivia Torres, Daniel Passi, Sérgio Dalcin, Nicolau Villa-Lobos, Sandra Corveloni, Marcos Breda, Conrad Godoy

O Brasil gosta de uma releitura cinematográfica sobre a vida de algum personagem icônico da nossa história. Se for de algum cantor então, arrasta multidões. 2 Filhos de Francisco, Cazuza – O Tempo Não Para e o mais recente Gonzaga – De Pai Pra Filho são alguns dos exemplos. Não é de se espantar que começaram a explorar a imagem e carreira de Renato Russo, um dos artistas mais marcantes da nossa música.

somos tão jovens 01

Pois bem, Somos Tão Jovens veio daquele jeitinho, pronto para ser igual a Cazuza, principalmente pela história dos líderes do Barão Vermelho e do Legião Urbana serem semelhantes em vários aspectos. Felizmente, o longa-metragem dirigido por Antônio Carlos da Fontoura recorta uma parte em específica da vida de Renato Manfredini Jr., o que por si só já me deixa mais confortável e receptivo.

somos tão jovens 02

Renato posteriormente Russo (Thiago Mendonça) é um jovem inquieto e revoltado com o país aonde vive. O Brasil vivia a ditadura militar, enquanto na Inglaterra, por exemplo, o que regia a orquestra era a rebeldia na música punk. Sex Pistols, bro! O filme vai mostrando esse sujeito que quer mudar Brasília e, adiante, a nação. É nessa busca que Renato vai encontrando um pessoal que queira fazer parte de uma banda. E tem um cara que é a pior imitação de Billy Idol que já vi em toda a minha vida. Nem o Supla é tão ruim. No mundo de Platão, seria uma mimese, mas indo adiante, sendo uma cópia da cópia pensando ser uma representação da cópia. É coisa demais para a cabeça.  Por sinal, o personagem em questão é o guitarrista Petrus (Sérgio Dalcin).

somos tão jovens 04

O longa-metragem faz questão de mostrar que não é extremamente fiel com o que aconteceu de verdade. Há uma forçação de barra tremenda nas frases prontas com situações inimagináveis sobre como surgiram músicas e os nomes das bandas. Pra mim, dois momentos são os mais constrangedores: o brainstorm para intitular a banda Aborto Elétrico e o piti infundado de Renato para citar as frases que seriam fundamentais na composição de “Que País é Este?”. A sutileza foi esquecida na hora de colocar o texto no roteiro.

somos tão jovens 06

O elenco me agrada. Há alguns papeis que simplesmente não funcionam porque não são explorados de maneira eficiente pelo roteiro. Que tipo de dimensão é dada aos pais do cantor? Suas participações são tão pobres, artificiais. O Supla fake é sofrível e o Dinho Ouro Preto é mais irritante do que na vida real. Enquanto isso, adoro as brigas entre Renato e os irmãos Fê (Bruno Torres) e Flávio Lemos (Daniel Passi). Apesar de haver alguns pontos frágeis na condução da narrativa, o ego de Russo entrando no caminho é o melhor que poderia acontecer nessa história – felizmente, o roteiro não omite esse término do Aborto Elétrico como algo pacífico e tampouco trata o protagonista como o bom moço.

somos tão jovens 05

Tenho meus personagens favoritos na trama. O cara que faz Hebert Viana – Edu Morais – é perfeito. Nem precisava dizer o nome, pois a encarnação do vocalista do Paralamas do Sucesso é idêntica. A melhor amiga de Renato, Ana Claudia (Laila Zaid), é uma junção de algumas mulheres que passaram pela vida do compositor. Laila Zaid não é o tipo de atriz em quem eu apostaria um ovo frito, mas ela me surpreende nesta película e lida bem tanto na hora de se divertir e de explorar um lado mais emocional.

somos tão jovens 03

Agora, cá entre nós, Thiago Mendonça é a reencarnação de Renato Russo. Só pode. É difícil acreditar que Mendonça foi o Luciano de 2 Filhos de Francisco. De biografia para biografia, o ator mudou muito e se parece tanto com seu interpretado que é difícil distinguir se é um ator ou é mesmo o cantor em cena. Não é exagero. Ele pode não ser um Daniel Day-Lewis, o dono de um método que leva meses para ser concluído com perfeição nas telas, mas certamente é um trabalho que exigiu tempo e dedicação. As minúcias da persona de Renato são seguidas à risca por Mendonça. O tom de voz, o jeito um tanto frágil e ao mesmo tempo rebelde, até a maneira como ele dança e se mexe e o seu visual. Por sinal, Thiago canta melhor do que o personagem que representa.  Além de cantar melhor e em todo o resto ser idêntico ao vocalista da Legião Urbana, o protagonista em nenhum momento exagera. Todas as nuances de Russo estão belamente traduzidas nesta arte cênica.

somos tão jovens 07

Somos Tão Jovens me pegou e me jogou lá nos tempos em que eu tinha 15 anos e os intergrantes da Legião Urbana eram os filhos da revolução, mesmo que seu ídolo maior já estivesse morto. Contudo, as canções criadas por Renato Russo perduraram as décadas e são mais atuais do que nunca. A delicadeza dos sentimentos, a forma de como contar uma história, o grito de liberdade e ânsia por um país melhor. Aborto e Legião conseguiram fazer tudo isso através da mente de Renato. Essas lembranças de que a música de hoje, brasileira ou não, ainda poderia dizer alguma coisa me faz sentir solitário no mundo e um bocado triste. Não só pela defasagem na qualidade da indústria musical, mas de saber que pouco mudou desde que as pessoas gritaram pela primeira vez “é a porra do Brasil” após ouvir a indagação de “que país é este?”. E os mesmos que gritam, nada fazem.

somos tão jovens 08

Voltando ao foco, Somos Tão Jovens poderia se espelhar um pouco mais em Renato na questão de saber como contar uma história sem soar forçado, mas tudo bem. O longa-metragem tem boas intenções e bons momentos.  Mostra, no entanto, que o Brasil ainda precisa melhorar seu cinema, seja em roteiros mais trabalhados como em preparação de elenco, sem falar em outras manias que a filmografia nacional possui. Apesar dos poréns e entretantos, é uma película que mexe com a memória e a emoção do brasileiro.

3.5 STARS

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.